sexta-feira, 29 de agosto de 2014

A Bela Espiã - Capítulo 02


Com a cabeça inclinada, Joseph estava concentrado nas traduções que Demetria trouxera, ignorando-a por completo desde o momento em que haviam deixado o restaurante.
Sentada numa confortável poltrona de veludo ferrugem, ela fitava os cabelos muito negros e os ombros largos do homem à sua frente. O fato de estar no apartamento de Joseph despertava fantasias absurdas em sua mente. O vinho começava a fazer efeito, sem dúvida. Procurando afastar essas idéias loucas, Demetria tentou se interessar pela decoração do luxuoso apartamento de cobertura. A sala era forrada de madeira escura e os móveis tinham tons pastel. Havia um refinamento extremo em cada detalhe, mas o que mais a atraía era a visão entrevista pela enorme porta de mogno.
Uma das maiores camas que ela já vira destacava-se com seus lençóis de cetim cor de ouro velho. Demetria se considerava uma moça sofisticada, tendo vivido em Londres e Paris, porém suas experiências não incluíam hábitos ou apartamentos de homens solteiros.Era a primeira vez que via uma cama tão convidativa.
Realmente, seus pensamentos não deixavam de voltar ao ponto de partida! Como se sentiria ao ser tocada pelas mãos fortes de Joseph? Seriam capazes de ternura ou revelariam o lado primitivo daquele homem?
Afinal de contas, ela era uma mulher adulta e tão normal quanto as outras, portanto não havia por que se censurar por seus pensamentos eróticos. Também não adiantava pôr a culpa no vinho... Na verdade há três meses Joseph lhe atormentava cada minuto do dia e da noite. E agora, finalmente, estavam os dois ali sozinhos, numa situação convidativa. Demetria sacudiu a cabeça, chocada por compreender o que estava desejando. Como poderia pensar que uma noite com Joseph conseguiria liquidar com sua fixação por ele? E se fosse exatamente o contrário?
— Não estamos mais na época vitoriana. Hoje uma mulher pode ser tão independente quanto um homem e fazer amor sem nenhum envolvimento afetivo! — disse a si mesma, analisando o problema, mas ainda sem coragem de tomar uma atitude.
Percebeu que desejos reprimidos por muitos anos não desapareciam com tanta facilidade. Descobrira de uma maneira brusca o quanto sua vida era vazia, não só de amigos, como também de intimidade e contato com o sexo oposto. Nenhum outro homem lhe despertara essa atração irresistível. Por que não seguir uma única vez os seus instintos, dedicando a noite apenas para si própria?
"Não! Não posso fazer isso!", censurou-se, indo até a janela para tomar um pouco de ar fresco. Estava ficando completamente atordoada pela mistura perigosa de muito vinho e um homem fascinante. Ainda mais grave era sua pretensão de tentar seduzir um sedutor!
— Demi, poderia vir até aqui e me explicar alguns detalhes? — ele pediu, acompanhando-lhe os movimentos do corpo sensual. Desde o minuto em que sentara para examinar as traduções, não tinha conseguido concentrar-se. Estava ligado a cada suspiro, a cada movimento de Demetria. Agora, muito próxima, Joseph podia sentir-lhe o perfume e ouvir-lhe a respiração.
— Qual delas está revendo?
— Já terminei as cartas em francês e espanhol, mas o alemão... Em todo caso, como as anteriores estavam excelentes, suponho que estas também não tenham problemas.
— Tenho certeza de que não. Eu verifico palavra por palavra depois de terminá-las — afirmou Demetria, inclinando-se propositalmente e encostando nele.
Joseph sentiu o seio rijo roçar-lhe o braço e precisou controlar-se para não demonstrar a onda de excitação que o envolveu. Entretanto, Demetria percebeu-lhe a respiração alterada e exultou ao ver que ele a desejava também. Era uma sensação atordoante saber que despertara nele reações tão violentas quanto as suas.
— Normalmente, não presto atenção às cartas que traduzo, mas fiquei interessada nessas últimas. Por que uma empresa de eletrônica usaria tanto aço importado da Alemanha? Desculpe-me, talvez não seja da minha conta, mas... achei intrigante.
O olhar de Joseph tornou-se frio e, virando-se de frente para ela, observou-a com
atenção. O que Demetria pretendia saber? Entretanto, ela acabava de sentar-se sobre sua escrivaninha e essa visão o perturbou profundamente.
A seda fina moldava as coxas bem-feitas e Demetria cruzou as pernas, provocante. "Ela está querendo me tentar!", pensou Joseph, intrigado. Demetria estaria usando o mais velho truque do mundo, de oferecer seu corpo para obter informações? Seria realmente a culpada de tudo, apesar de suas respostas inocentes?
Fosse o que fosse, ela parecia estar atingindo seu objetivo, de repente, Joseph só conseguia pensar em como seria bom soltar a pesada trança dourada e mergulhar o rosto naqueles cabelos brilhantes como seda. Assim mesmo, decidiu deixá-la tomar a iniciativa para ver até onde Demetria seria capaz de chegar.
— Será que é minha imaginação ou você está mesmo querendo me seduzir, Demi?
— Oh! Não pensei que fosse tão evidente — ela sussurrou, surpresa com a própria calma. O dilema entre certo e errado havia desaparecido como por encanto. De repente, Demetria via-se diante de um fato consumado. Com alguns sorrisos insinuantes e movimentos provocantes, criara entre os dois um envolvimento do qual não poderia mais recuar. O olhar de Joseph exprimia todo o desejo que o consumia e sua determinação de ir até o fim. Qualquer dúvida que ainda restasse foi dissipada pelo calor dos braços que a rodearam. Ela perdeu-se na magia do toque ardente dos lábios de Joseph. Enquanto ele explorava sensualmente a maciez da boca de Demetria, foi soltando-lhe a trança até espalhar os cabelos como um manto dourado.
— Não corte nunca esses cabelos... — pediu, com um murmúrio rouco. Ela sentiu uma chama acender-se no centro de seu ser e quando ele tocou os seios rijos, soltou um suspiro de prazer. Estava sendo envolvida num turbilhão de sensações, perdendo todo o controle de seu corpo que reagia ao toque de Joseph como jamais imaginara ser possível. Antes mesmo de poder tocá-lo, percebeu que seu vestido escorregava para o chão.Pela primeira vez naquela noite, ela sentiu vergonha... estava quase nua diante de um
homem que conhecia há poucas horas. O sutiã de renda mal cobria os seios firmes e a minúscula calcinha mais evidenciava do que escondia sua deliciosa feminilidade.
— Joseph, eu...
— Não diga nada, querida. Seu corpo é a visão mais linda que já tive... pele de magnólia e botões de rosa...
— Eu preciso...
Antes de terminar, ele a beijou novamente, com mais insistência, e Demetria rendeu-se ao prazer.
Tomando-a nos braços, Joseph carregou-a até o quarto e deitou-a na cama. Só então ele retirou com gestos impacientes as últimas barreiras que o impediam de apreciar a beleza da nudez total. Depois tirou suas próprias roupas, enquanto Demetria admirava as proporções perfeitas daquele corpo masculino, evidenciando a beleza de um homem tomado pelo desejo. Ela queria esclarecer muitas coisas, mas qualquer palavra quebraria o momento mágico. Não poderia suportar que Joseph não a tocasse mais e por isso calou-se, mal podendo respirar de ansiedade. Quando finalmente ele deitou-se ao seu lado, Demetria não pôde evitar um estremecimento e involuntariamente se afastou.
— O que é isso, querida? Você me deseja, não? Diga... não foi por isso que esperou a noite toda?
— Não, Joseph, eu...
Mesmo sabendo que deveria deixá-la falar, que era o único modo de surpreendê-la numa contradição, Joseph não podia se controlar. Aquela mulher acendia nele um desejo muito mais intenso do que todas as outras. As mãos pareciam ter vontade própria e deslizavam pelo corpo sensual em busca dos recantos mais secretos e sua boca percorria a pele sedosa numa trilha de fogo. Perdida num mundo de sensações, Demetria entregou-se às carícias enlouquecedoras que a faziam gemer de prazer.
— Quero você agora, Demi... sei que está pronta para me amar... — Joseph entreabriu-lhe as pernas e num movimento rápido penetrou-a, sem poder mais esperar. Para sua surpresa, sentiu-a ficar tensa e ouviu-lhe o grito abafado.
— Oh! Meu Deus!... Sua tolinha! — Joseph esforçou-se por manter a disciplina, mas ela o enlouquecera de desejo e não pôde conter seu prazer por nem mais um segundo. Apenas a respiração ofegante dos dois perturbava o silêncio do quarto. Na penumbra, o corpo de Demetria brilhava como madrepérola, num jogo de sombras e luzes que ressaltavam suas curvas sensuais. Acariciando os mamilos rosados e eretos, com a ponta dos dedos, Joseph sorriu:
— Por que não me disse nada, querida? Você me provocou tanto que pensei... Não era bem isso que esperava do amor, era?
Envergonhada, Demetria afastou as mãos dele e tentou sair da cama, mas Joseph puxou-a de encontro ao peito.
— Nada disso, gatinha. Mulher alguma sai da minha cama com esse ar de frustração... Ainda nem começamos nossa viagem de prazer!
— Não, pare...
— Não há necessidade de palavras. Deixe apenas seu corpo responder ao meu... Afastando as mechas douradas do rosto de Demetria, Joseph cobriu-a de beijos para sufocar sua recusa. Descendo pelo pescoço esguio, chegou até os seios tentadores e colou os lábios no mamilo rijo de desejo, sugando-o avidamente.
Sentindo-a vibrar de prazer, mordiscou-lhe os seios, aumentando a pressão até fazê-la gritar de desejo. Ela jamais tivera sensações tão intensas!
Joseph foi excitando-a lentamente, até que ela própria indicasse o momento exato de ser possuída. Emoções profundas e maravilhosas vieram à tona, abalando-a com sua violência.
Todo o corpo de Demetria vibrava à espera do instante em que Joseph a preencheria com sua virilidade.
— Por favor... agora, Joseph... 
Entretanto, ele parecia ter todo o tempo do mundo à sua disposição e continuava a tocá-la, até que um grito de paixão o fez perder os últimos vestígios de controle. Ele mergulhou no calor do corpo de Demetria, arrastando-a num ritmo cada vez mais febril em direção ao êxtase. Ela viu Joseph sorrindo, segundos antes do mundo explodir em milhares de partículas de sensações delirantes. Flutuando de volta à terra, ouviu apenas sua própria voz soluçando de prazer e murmurando sem cessar o nome dele, como uma melodia que jamais esqueceria. Aconchegada aos lençóis macios, Demetria só queria continuar sentindo aquela doce tranqüilidade. Por isso, foi com preguiça que entreabriu os olhos, ao sentir que Joseph a tocava no braço.
— Vamos lá, mocinha. Deixe de fingir que está com sono e levante dessa cama.
— Pare com isso, Joseph...
— Levante-se já! É melhor estar na sala em dois segundos ou garanto que vai se arrepender. E ponha isto! — ele atirou-lhe um roupão de seda preta e saiu do quarto.
O que havia acontecido afinal? Apavorada, sem entender a expressão fria e enfurecida no rosto dele, apressou-se em vestir o robe e sair do quarto. Joseph estava caminhando de um lado para o outro da sala, mas parou ao vê-la parada à porta. Os longos cabelos despenteados, a boca rubra dos beijos trocados há poucos minutos e o corpo que o roupão muito curto mal escondia reacenderam seu desejo. Precisava se controlar ou poria tudo a perder, censurou-se. Aproximando-se dela, puxou as lapelas do roupão para cobrir os seios amplos onde se via na pele muito clara a marca de suas carícias ardentes.
— Sente-se, e comece logo a se explicar antes que eu perca a cabeça! — disse, sem saber se a estava ameaçando ou convidando-a novamente para fazerem amor.
— A me explicar?! Sobre o quê? — Demetria encarou-o com um misto de raiva e surpresa.
— Olhe aqui, mocinha, fique sabendo que não estou acostumado a seduzir...
— Ei, calma. Se é isso que o preocupa, acho que está perdendo tempo. Afinal, fui eu
quem o seduziu, não é?
— O quê? — Joseph ficou abismado com a expressão de Demetria. Ela o encarava com um ar divertido, não parecendo nem um pouco perturbada com a situação. Droga! Não podia esquecer-se de que essa mulher tinha roubado milhões de sua empresa! Precisava desvendar a trama de uma vez por todas. Demetria fazia parte do grupo que estava lesando os Jonas e ele iria obrigá-la a confessar, custasse o que custasse!
— Muito bem. Então foi você quem me seduziu, não é? Pois vá dizendo logo o quanto o sacrifício de sua virgindade vai me custar. Em dinheiro... Demetria abriu a boca, mas foi incapaz de pronunciar uma só palavra.
— Não adianta fazer esse ar de ofendida... Só quero saber qual foi o preço que Selena estabeleceu pela minha noite de prazer? Afinal, você tem um grande potencial artístico, agiu como foi instruída e creio que terei muito a pagar.
— Selena? O que ela tem a ver com isso? Ouça bem, Joseph, fui para a cama com você porque senti vontade, só isso!
— Ah! Não pense que sou tão idiota! Nada é tão simples assim. Diga logo, antes que eu perca a paciência e faça o que não devo. Quanto, Demetria?
— Não quero nada de você, Joseph. Aliás, não quero nem mesmo voltar a vê-lo.
— Quer dizer que me usou para "alegrar" sua noite? — gritou ele, chocado. A audácia daquela mulher ao dizer-lhe que ele não passava de um amante para uma noite só era inacreditável!
A ironia é que sempre acontecia o contrário com ele: usava as mulheres como um divertimento e jamais voltava a procurá-las. Entretanto, essa mudança de posição não o agradava nem um pouco! Percebendo que a raiva não o levaria a descobrir o que desejava, mudou de tática, perguntando com mais delicadeza:
— Será que poderia me dizer como uma mulher de vinte e sete anos, vivendo numa cidade grande, chegou até essa idade ainda... bem...
— Ainda virgem? Por que isso o incomoda tanto, Joseph? Afinal, não foi você quem perdeu alguma coisa esta noite, só eu, e por livre e espontânea vontade!
— Não perdi, é? Ainda estou esperando para saber quanto esse prazer único vai me custar! Seria muita curiosidade perguntar se você toma pílulas?
— Eu... não... não é meu hábito ir para a cama com desconhecidos. Hoje foi um fato absolutamente fora do normal e... Um terror imenso tomou conta de Demetria ao pensar no que poderia acontecer. Ela se esquecera completamente da possibilidade de uma gravidez.
— É isso que você e Selena tinham em mente? Uma gravidez providencial? Seria muito útil para vocês duas, não? Pois tire essa idéia da cabeça, moça! Mulheres muito mais sofisticadas e espertas já tentaram esse truque sujo comigo e posso lhe garantir que acabaram bem mal.
— Seu tolo cheio de ilusões! Pensa que todas as mulheres do mundo não pensam em mais nada, a não ser em você? No meu caso, não poderia estar mais longe da verdade, Joseph! Agora, por favor, me explique o que Selena tem a ver com tudo isso. — Demetria não se conformava por aqueles olhos verdes estarem tão gelados, tão cheios de desprezo. Esperou pela resposta, mas Joseph apenas esboçou um sorriso de malícia, como se não acreditasse em nada.
Correndo para o quarto, ela vestiu-se depressa, indignada. Quando ficou pronta, voltou para a sala disposta a sair dali. Não queria vê-lo na sua frente por muito tempo! Todavia Joseph, com um copo de conhaque na mão, barrou-lhe a passagem.
— Onde pensa que vai? Ainda não terminamos nossa conversa... tão agradável por sinal!
Sem responder, Demetria desviou-se dele e continuou em direção à saída. De súbito, o copo foi arremessado com violência, explodindo em mil pedaços na porta à sua frente. Apesar do tremor que a assaltou, ela virou-se e enfrentou-o.
— Eu vou para casa, senhor Jonas! Da minha parte, já disse tudo que precisava.
— Pois está muito enganada! Eu não terminei... Quero algumas explicações e não me obrigue a usar métodos pouco gentis para consegui-las! Quero saber de sua combinação com Selena e...— Olhe aqui, senhor Jonas. Sei muito bem que é capaz das maiores brutalidades, porém vou sair daqui agora e se tornar a me ameaçar sou capaz de ir até a primeira delegacia e... .
— Que corajosa! No entanto, você tem razão, é melhor sair mesmo antes que eu lhe dê umas boas palmadas para ensiná-la a não ser tão insolente. Se continuarmos, sou capaz de estrangulá-la. Conversaremos amanhã...
— Adeus, senhor Jonas. Espero não vê-lo nunca mais!
— Adeus, não, Demi! Até amanhã.
Um arrepio percorreu-a ao ouvir o tom frio e ameaçador de Joseph. Só depois que as portas do elevador se fecharam, ela relaxou. Conseguira escapar das garras daquele homem violento e explosivo e agora... não havia mais nada que ele pudesse fazer para atingi-la! Por um longo tempo Joseph ficou imóvel, seguindo em pensamentos o caminho de Demetria até a saída do prédio. Finalmente, numa explosão de raiva, gritou para as paredes.
— Garota mentirosa, trapaceira e desonesta!
Pegando o telefone, esperou até ouvir a voz do irmão e ordenou-lhe autoritário:
— Venha imediatamente até aqui, Nicholas!
Em alguns minutos Nicholas entrou e percebeu de imediato o estado de espírito do
irmão.
— Deixe de beber à toa, Joseph. Ou, pelo menos, quando quiser ficar bêbado, faça-o sem atrapalhar os meus programas. Deixei uma garota fantástica dormindo na minha cama, sabia? Ao chegar perto da porta do quarto viu os lençóis amassados e começou a rir. A expressão de Joseph, no entanto, obrigou-o a engolir a brincadeira que estava prestes a fazer.
— Afinal o que descobriu a respeito das irmãs Lovato? — perguntou, forçando-se a ficar sério.
— Absolutamente nada!
— Bem... Olhe, Joseph, não pretendo ficar aqui a noite inteira, portanto nada de mentiras. Conheço muito bem as suas técnicas de obter informações das mulheres, por isso... Como é que elas estão passando nossos segredos para as fábricas estrangeiras?
— Com os diabos, Nicholas! Não sei! Não cheguei nem a perguntar.
— Puxa! A garota devia ser mesmo excepcional, não?
— Cale a boca! Você não está entendendo nada!
— Então me explique, Joseph! Nosso plano era...
— Sei muito bem como era! Fui eu quem o elaborou, esqueceu? É que... bem... a garota era inocente.
— O quê? Inocente do quê? — Nicholas franziu a testa diante da fisionomia culpada do irmão. — Afinal foi você mesmo quem disse que ela estava envolvida nos roubos.
Olhando para o copo vazio, Joseph nem percebeu o tom abismado do irmão. Uma sensação desagradável tomara conta dele ao pensar nos acontecimentos da noite. Mal se lembrava dos planos roubados ou do dinheiro perdido... apenas conseguia pensar naquele corpo jovem e sensual que tivera em seus braços. E havia sido o primeiro! O que o perturbava, no entanto, era surpreender em si mesmo tamanha mudança.
Jamais quis saber quantos homens havia na vida de qualquer mulher e hoje sentia como se tivesse sido homenageado com a dádiva mais preciosa que uma mulher poderia oferecer. Não, não podia deixar Demetria fugir dele.
— Nicholas! Redija um documento como os outros que fez anteriormente para Demetria Lovato assinar e iremos amanhã até a casa dela. Além disso, procure descobrir como fazer para conseguir tirá-la de Selena. Quero que trabalhe conosco.
— Você ficou louco? Quer colocá-la na empresa? Demetria e a irmã são as principais— Irmã de criação, Nicholas!
— As duas roubaram nossos planos e você quer que eu redija um documento para essa criminosa...
— Demetria nunca roubou ninguém!
— Ah, não?
— Não!
— E como você sabe? A garota o enfeitiçou de tal modo que nem chegou a lhe perguntar nada!
— Ouça, mano. Ela é inocente. Sou até capaz de apostar nosso rancho!
— Muito bem, eu aceito a aposta mas... e Selena? Será que Demetria não percebe o que a irmã está fazendo?
— Acho que não. Por isso pretendo manter Demetria perto de nós. De algum modo, Selena está querendo que a consideremos culpada e pretendo descobrir por quê. O primeiro passo será separar as duas.
Apesar de Nicholas ser seu irmão e também seu advogado particular, Joseph não queria revelar tudo o que se passara ali naquela noite. Já estava se sentindo um traidor em relação a Demi e não iria cometer a indiscrição de revelar os maravilhosos momentos que viveram juntos.
— Então acha que Selena trabalha sozinha?
— Não... ela não está sozinha. Não teria condições de manter tantos contatos na Europa. Alguém está colaborando e é essa pessoa que desejo desmascarar. Mas isso vai levar algum tempo. Por enquanto, o que me preocupa é que Demetria está traduzindo nossas cartas há três meses e...
— Afinal, Demetria está ou não envolvida?
— Não da maneira como imaginamos, Nicholas. Ela está sendo manipulada, tenho certeza... Só não sei qual o motivo.
— Joseph... Quando você disse que Demetria era inocente, estava também se referindo a... quer dizer... ela não tinha nenhuma experiência amorosa, é isso? Um silêncio profundo acolheu a pergunta de Nicholas e sem olhar para o irmão, Joseph assentiu com a cabeça. Depois de uma longa pausa Nicholas suspirou e colocou a mão sobre o ombro do irmão.
— Acho que precisamos de mais uma boa dose de conhaque, Joseph!!

Continua...
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Uii~~ parece que as coisas esquentaram..haha,Demi virgem,vocês esperavam por isso? hasuahsa' Estão gostando da fic? Espero que sim <3, se der posto
 "Shouldn't Come Back" ainda hoje...COMENTEM..BEIJOS...XOXO!!

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

A Bela Espiã - Capítulo 01


Demetria Lovato olhou ao redor, apreensiva.
Durante o dia inteiro, aquela desagradável sensação de que alguém lhe vigiava cada
movimento não deixara de perturbá-la. Estaria sonhando? Tentou reconstituir os acontecimentos, procurando localizar o momento exato em que começara a ter suspeitas tão absurdas.Ao ir para o escritório de manhã, tudo estivera absolutamente normal. Só depois que Selena a informara da necessidade de ir ao encontro de Joseph Jonas, para rever junto com ele as traduções, é que alguma coisa começou a lhe parecer estranho.
No início Demetria não deu muita atenção ao fato, incapaz de acreditar que alguém se
interessasse em saber de sua vida. Era uma mulher racional e pouco dada a fantasia,
achando que para tudo existia uma explicação lógica. Mas ao sair para fazer algumas
compras antes do encontro, a impressão de que era seguida tornou-se real demais para ser ignorada. A sensação persistia mesmo agora, no luxuoso bar do Westin Oaks Hotel. Demetria estava ali totalmente contra a vontade. Detestava ficar sozinha num bar,mesmo sofisticado como este, e não sentia o menor entusiasmo em conhecer Joseph Jonas.
Há três meses, quando passara a ser a única encarregada das traduções da empresa
Jonas, alguma coisa muito estranha acontecera.
Ao ver uma foto de Joseph Jonas no jornal, Demetria começara uma busca diária de notícias sobre ele, a ponto disso se tornar quase uma obsessão. O pior era que seu interesse não se limitava apenas ao aspecto comercial. Era inegável que a figura atraente dele a fascinava... e também a deixava terrivelmente contrariada.
"Só um psiquiatra, e dos melhores, será capaz de explicar essa minha mania em
torno de um homem desconhecido", pensou ela, com um suspiro. "Devo estar ficando louca!"
Demetria lutara muito para alcançar sua independência financeira e se tornar uma
mulher que não precisaria nunca apoiar-se em um homem para sobreviver. Seu passado fora traumatizante demais e tinha jurado nunca cair na armadilha cruel do casamento,como acontecera com sua mãe.Sentia-se disposta a tudo, menos a ficar na posição passiva de esposa, sujeita a abusos e crueldade por parte de um marido. Pesadelos sobre sua infância infeliz eram um aviso constante de que deveria evitar a qualquer custo se envolver com um homem. Achava que no dia em que se apaixonasse acabaria por se tornar fraca e vulnerável. Entretanto, Joseph Jonas despertara nela um comportamento de adolescente:seguia ansiosamente através dos jornais cada passo e cada palavra de um desconhecido.
Esse seu descontrole a deixava muito perturbada.
Era mesmo uma ironia do destino! Em menos de dez minutos iria se ver diante do
homem que povoava seus sonhos... ou melhor, seus pesadelos. E tudo por culpa de
Selena!Se havia algo que a irritava era ficar sozinha num bar. A cada minuto sua inquietação aumentava.
O local era extremamente elegante e atraía grupos de executivos, além de inúmeros
frequentadores da grande galeria de lojas luxuosas, próxima do Hotel.
Vozes animadas e risos enchiam o ambiente e Demetria sentia-se cada  vez menos à
vontade por estar desacompanhada. Por quanto tempo ainda precisaria suportar essa situação?
Vinte minutos mais tarde, sua agitação aumentara a tal ponto que nem os dois copos
de vinho branco tinham conseguido acalmá-la. Cruzando as pernas, com irritação, Demetria atraiu os olhares masculinos mais próximos, que se deliciaram com a visão das formas perfeitas.
A raiva e o nervosismo fizeram com que ela derrubasse um pouco do vinho sobre a
mesa e, num impulso, decidiu ir embora. Se Joseph estava atrasado devido a algum
imprevisto, talvez nem fosse mais comparecer ao encontro marcado e ela não iria ficar esperando feito uma idiota! Ele devia ter tido ao menos a educação de mandar alguém lhe comunicar o fato!
— Srta. Lovato?
Demetria teve um sobressalto ao ouvir a voz feminina. Com certeza era a secretária de
Joseph, que vinha avisá-la de que ele não poderia comparecer. Além de tê-la feito esperar por mais de meia hora, ele se dava ao luxo de não aparecer ao encontro marcado!
— Desculpe-me, senhorita... o sr. Jonas telefonou pedindo que o perdoe, mas está
atrasado. Deverá chegar em quinze minutos e enquanto isso quer lhe oferecer um
aperitivo.
— Obrigada... — Demetria nem sabia dizer se ficara alegre ou triste por Joseph não ter
desistido.
"Como posso sentir uma excitação tão grande e ao mesmo tempo uma sensação de
tragédia iminente?," pensou. Seu olhar caiu sobre o Wall Street Journal, dobrado sobre a cadeira ao lado. O artigo sobre Joseph estava praticamente gravado em sua mente.
Sem dúvida, havia algo de assombroso num homem capaz de controlar tantos
destinos e exercer um poder tão amplo. Embora Demetria não concordasse inteiramente com esse domínio sobre muitas vidas, não conseguia deixar de admirá-lo.Joseph Jonas comandava com autoridade absoluta o imenso império da família.
Uma famosa indústria eletrônica, poços de petróleo, propriedades por todo o sul do Texas,um ou dois bancos e a inigualável fazenda na região de Hill Country, onde criavam cavalos e gado de raça, eram um dos aspectos do complexo econômico que se espalhava pelo mundo inteiro.
Ele assumira essa pesada responsabilidade com apenas vinte e dois anos, devido ao
prematuro abandono dos negócios por seu pai. Mattew Jonas perdera todo o interesse na vida após o trágico acidente onde a mulher e a filha tinham morrido. Embora ele houvesse se recuperado fisicamente, sua mágoa jamais diminuíra e Joseph, mesmo relutante, foi obrigado a tomar as rédeas do império Jonas.
Sua autoridade não foi muito bem aceita no início. Tanto os funcionários como os clientes se ressentiram ao ver um jovem até então considerado como um playboy
irresponsável, com tanto poder nas mãos.
Durante onze anos, Joseph lutou para provar sua capacidade incomum e a visão
aberta de um executivo perfeito. Corria o rumor de que ele reinava sobre todos com mãos de ferro e olhos de águia, não deixando de observar um único detalhe, por mais
insignificante que pudesse parecer. Nada escapava ao seu controle.
O que intrigava Demetria era que uma empresa tão importante como a Jonas
usasse o escritório de sua irmã para suas traduções. Sem dúvida, a "Lovato Tradutores" era uma das melhores no ramo, mas por que a Jonas não tinha um departamento próprio para fazê-las? Afinal, o volume de material a ser traduzido justificaria uma equipe fixa de tradutores.
De repente, Demetria sentiu um arrepio de apreensão e a sensação de ser observada
voltou a incomodá-la. Havia alguém, ali, naquele bar, que a olhava com insistência.
Levantando a cabeça, ela percorreu com atenção cada uma das mesas, encontrando apenas olhares de desejo ou de convite.
Estava a ponto de desistir, quando um par de olhos esverdeados a atraiu. Ela não
conseguiu ver mais nada além do olhar hipnótico que a observava, implacavelmente, à espera de uma reação.
Demetria sentiu uma onda de pânico ao perceber que não conseguia desviar seu olhar, como se estivesse presa por uma força sobrenatural. Tentou romper esse poder invisível que a dominava, mas o desconhecido foi o primeiro a desviá-los.
Antes mesmo de ver, ela soube para onde os olhos esverdeados se dirigiam.
Como se a maioria das luzes tivesse se apagado por encanto, o bar ficou numa
penumbra acolhedora, os ruídos se reduziram a um simples murmúrio. Demetria tinha
certeza de quem acabara de entrar na sala como se alguém lhe tivesse anunciado
claramente o nome do recém-chegado.
Ela jamais tivera uma sensação tão atordoante. Encostando-se na cadeira estofada,
esqueceu de tudo o mais a não ser a figura ainda difusa do homem muito alto parado à entrada. Estava trêmula e queria evitar encará-lo adiando o momento em que teria,
finalmente, Joseph em pessoa diante de si.
Ele não estava sozinho. Acompanhavam-no um outro homem, também alto, e uma
mulher esguia e miúda, que sorria insinuante para...
"Céus, não compreendo mais nada!" pensou Demetria, ao ver o homem de olhos
esverdeados atravessar o salão e abraçar carinhosamente a recém-chegada.
Sem saber o que pensar sobre a ligação de seu perseguidor com o seu cliente,
Demetria olhou para o homem que a obcecava há tantos meses, povoando-lhe os
pensamentos sem deixá-la um momento em paz.
Deixara-se fascinar por um desconhecido e acabara se envolvendo em fantasias
loucas. Perdera toda a capacidade de raciocinar com bom senso!
Homem algum poderia ser tão maravilhoso como uma fantasia. Enfrentá-lo
pessoalmente era a única chance de voltar à normalidade de sua vida organizada,
concluiu.
Como ele ainda não a vira, Demetria pôde examinar despreocupadamente cada
detalhe daquele moreno sedutor.
Apesar do terno clássico, era nítida a força viril do corpo musculoso e dos ombros
muito largos. No olhar orgulhoso, havia uma sombra de mistério e o queixo firme tinha uma arrogância natural.
Demetria estremeceu. O homem que se dirigia à sua mesa era real, emanando uma
vitalidade e uma sensualidade tão intensas, que ela precisou lutar para recuperar o
controle."Não é justo! Como vou me libertar dessa terrível fascinação se só o fato de estar próxima dele já me deixa completamente perturbada?" pensou, apertando o guardanapo num gesto de nervosismo.
Com a garganta seca e o coração aos pulos, ela observou as reações femininas
causadas pela passagem de Joseph.
Ele atravessara o salão com tranqüilidade, parecendo muito à vontade. Os cabelos
negros brilhavam e os olhos frios finalmente a fitaram.
Demetria conhecia cada traço daquele rosto, mas isso não a preparara para o impacto.Quando Joseph colocou as mãos bronzeadas sobre o espaldar da cadeira e fitou-a, sentiu se perdida no verde daqueles olhos.Era um tom de verde que lembrava a sombra de carvalhos, grama recém-cortada e Demetria se surpreendeu ao sentir em Joseph, um homem ligado à terra e não um executivo típico dos centros urbanos.Tudo nele lembrava a natureza primitiva e indomável e mais uma vez ela quis lutar contra a atração que a impelia em direção ao abismo. Não queria de modo algum um homem em sua vida!
Finalmente, com um sorriso que a deixou trêmula, ele perguntou:
— Você é Demetria, a irmã de Selena?
— Somos apenas irmãs de criação, sr. Jonas — respondeu com esforço, rezando para não demonstrar a emoção absurda que a descontrolava.
— Não há necessidade de formalidade entre nós, Demi... prefiro que me chame de Joseph.
— Não... isto é, ... sim, Joseph... — ela gaguejou, confusa. A voz extremamente sedutora não combinava com o brilho duro e ameaçador daqueles olhos verdes.
Depois de pedir mais vinho ao garçom, Joseph acendeu um cigarro, observando por longo tempo cada detalhe da garota sentada à sua frente. Jamais poderia imaginar que a irmã de Selena tivesse uma aparência tão sedutora.
Cabelos dourados, presos numa longa trança, formavam uma coroa em torno do rosto delicado, onde olhos de violeta se destacavam como ametistas. Era uma fisionomia pura e inocente, apenas a boca, de contornos marcados e sensuais, sugeria um temperamento fogoso.Viera preparado para encontrar um outro tipo de mulher, mais vivida... Agora teria que mudar seus planos. Não conseguia se imaginar pressionando uma garota tão ingênua!
Com certeza, Selena a enviara de propósito para confundi-lo e assim afastar as suspeitas sobre si mesma.
Entretanto, por mais inocente que parecesse, Demetria iria ser obrigada a confessar
até que ponto estava envolvida nas atividades criminosas da irmã.
— Então, Demi, me diga por que sua irmã nunca nos apresentou antes? Teria sido
um prazer...
— Ela não é minha irmã, sr. Jonas! Eu trouxe as traduções para o francês e o
alemão, conforme pediu — Demetria sentiu uma certa ironia nas palavras de Joseph, mas não conseguia decifrar o motivo.
— Não aqui, querida! Sua irmã não lhe avisou que essas cartas são confidenciais?
— Irmã de criação, sr. Jonas! Quanto à necessidade de manter segredo, creio que
não precisa se preocupar. Estou perfeitamente ciente disso, desde que Selena me
encarregou das traduções, há três meses.
— Ora, não diga. Eu não sabia disso... — Josepha fitou com raiva, contendo-se com
dificuldade.
Há dois meses, Ashley e Sheila Stone, um casal de talentos extraordinários, descobrira um vazamento de informações confidenciais da Jonas Eletronics. Uma indústria de computadores da Europa estava se beneficiando com os mais bem guardados dos segredos dos Jonas. No entanto, fora apenas há poucas horas que tinham tomado conhecimento de que Demetria era a única tradutora das cartas da empresa. Imediatamente Ashley começara a segui-la.
Joseph marcara o encontro com ela no bar do hotel que ficava em frente ao prédio das empresas Jonas. Era uma maneira de Ashley, Sheila e seu irmão Nicholas Jonas
poderem observar cuidadosamente a maior suspeita da espionagem.
Cerrando os punhos, Josephlutou para não sacudir aquela loirinha frágil até fazê-la
confessar.
Respirando fundo, percebeu os olhares preocupados dos outros três, no outro lado do salão.Seus companheiros o conheciam muito bem e já tinham percebido que seu
temperamento explosivo estava chegando ao limite de sua capacidade de suportar a
tensão. Precisava agir friamente e conseguir o máximo de informações possíveis. Afinal,essa bonequinha loira e sua diabólica irmã haviam roubado nada menos do que dois milhões de dólares da empresa!
— Há quanto tempo trabalha com sua irmã, Demi? Ou será que são sócias?
— Quantas vezes precisarei dizer que somos apenas irmãs de criação?
— Ora, desculpe! É um tanto confuso à primeira vista, já que as duas têm o mesmo
sobrenome. Entretanto, acho que Selena se refere a você como irmã... ou estarei
enganado?
— Tenho certeza de que está enganado. Selena jamais se dignaria a me chamar de
"irmã" a não ser por algum motivo oculto. Nosso relacionamento é apenas profissional, pois não temos laços, nem de afeição, nem de amizade. Aliás, o que ela gosta de contar é como foi magnânima com a pobre irmã de criação, ajudando-a a terminar os estudos através de um empréstimo. É evidente que esquece de mencionar que me paga apenas um quarto do salário normal, retendo o restante para
saldar a minha dívida! — Demetria não conseguiu evitar o tom venenoso, mesmo com a intuição de que Joseph estava provocando-a justamente para que perdesse a calma."Ótimo! Agora a mocinha está mostrando as garras e tenho como enfrentá-la! Chega de rodeios... os ladrões estão brigando entre si e chegou a minha hora...", pensou Joseph,satisfeito.
Tomando mais um gole de vinho, Demetria achou que era impossível esquecer as
mágoas causadas por tantos anos de maus-tratos por parte de Selena. Mas ao ver os olhos verdes fitando-a, interrogadores, desculpou-se.
— Sinto muito... o passado às vezes volta sem avisar, provocando-nos reações
inesperadas.
— Você me parece muito jovem para ter um passado. No entanto, conheço Selena há
mais de dois anos e sempre achei muito desagradável tratar com ela. Acho que
compreendo seu desabafo.
— Que estranho! Ela sempre prefere tratar com os clientes masculinos. — Demetria
replicou, sarcástica. A insistência de Joseph em falar sobre Selena já a estava irritando.
Joseph piscou com um ar de cumplicidade.
— Selena não é meu tipo. Tenho uma preferência marcada por olhos cor de violeta,
pele de magnólia e lábios como pétalas de rosa. . Deviam ter-lhe dado um nome mais
exótico, sabia? "Demetria" não dá idéia de como você é linda.
Pele de magnólia e pétalas de rosa foram as expressões mais banais e gastas que
Demetria já ouvira. Não fosse a sensualidade da voz máscula de Joseph, ela teria rido.
— Diga-me, Demi... por acaso Selena contrata tradutores free-lancers para trabalhar
com você?
— Oh, não. De jeito nenhum!
— E algum dos funcionários costuma levar serviço para ser feito em casa?
— Não. Só eu posso fazer isso.
As respostas de Demetria eram diretas e não davam a impressão de terem sido
ensaiadas. Joseph estava achando cada vez mais difícil decidir se a inocência dela era um disfarce ou não. Segurando a mão delicada entre as suas, ele acariciou devagar a pele macia do pulso frágil.
Perturbada pelo gesto íntimo e pela súbita mudança do rumo da conversa, ela tentou
explicar:
— É uma das regras da firma que nenhum papel seja retirado do escritório.
Entretanto, como o volume e a dificuldade das cartas que vocês têm nos enviado é muito grande e, além disso, o prazo é limitado, Selena decidiu que eu levasse o trabalho para ser feito em casa. Pode ficar certo, Joseph, seus papéis permanecem o tempo todo sob meu controle. Ninguém põe a mão neles, do momento em que os recebo de seus mensageiros até entregá-los de volta aos mesmos.
— Quantos anos você tem, Demetria?
— Vinte e sete. Tenho todos os dentes, não sofro da coluna e dizem que tenho uma
inteligência razoável. Quer saber mais alguma coisa? — ela já estava se cansando das mudanças imprevistas de Joseph. Ora ele a olhava com sensualidade e calor, ora com raiva e frieza.
— Não, não! As suas qualidades já me deixam extremamente satisfeito. Aliás, quando
fica com raiva, o tom de seus olhos é ainda mais lindo... Aposto que ficam assim quando faz amor.
Furiosa, Demetria apanhou a pasta e a bolsa para retirar-se, porém, ele a segurou e a
empurrou de volta para a cadeira.
— Pensei que tivesse mais senso de humor — desculpou-se, intrigado com a
expressão no rosto de Demetria. Até parecia sentir medo de ouvir falar em amor!
O problema de Demetria não era falta de senso de humor e sim o efeito perturbador do que ele dissera antes. Joseph exprimira numa frase o único pensamento que tomara conta dela desde o momento em que o vira entrar naquele bar.
— Fale-me um pouco sobre sua vida, Demi.
— Não há muito a contar.
— Não posso acreditar, deve haver algo de interessante na vida de uma mulher
atraente e inteligente como você.Minha história vai deixá-lo entediado. Eu mesma acho que minha vida é bastante monótona.
— Deixe-me dar minha própria opinião.
— Bem... nasci na Geórgia e meu pai era diplomata, por isso vivi em vários países
diferentes. Talvez seja um dos motivos da minha facilidade para idiomas estrangeiros.
Desde muito cedo precisei me adaptar a línguas e costumes estranhos aos meus, nas
inúmeras escolas que freqüentei. Papai morreu quando eu tinha quinze anos, e três meses mais tarde minha mãe casou-se com Charles, o pai de Selena.
— Isso não a deixou perturbada? Quer dizer... só três meses depois, ela já ter outro
marido?
— Não... na verdade, não muito.
— E depois? O que aconteceu?
— Não vejo por que minha vida...
— Ora, Demi, estou achando muito interessante. Pode continuar!
— Voltamos para os Estados Unidos e eu freqüentei a Universidade do Texas, onde
me formei em Letras. Tirei meu diploma de Francês, Alemão, Italiano e Espanhol. Prestei o exame de mestrado e agora estou tentando completar minha tese de doutorado. Fim da história!
Um olhar cético transfigurou a fisionomia de Joseph. Aquela garota estava tentando
enganá-lo. Provavelmente queria passar-lhe uma imagem falsa, para convencê-lo de sua inocência. Ao perceber a reação dele, Demetria levou um choque. Estava acontecendo alguma coisa da qual ela não tinha a menor noção! O que poderia ter dito para desagradá-lo tanto? Mas o sorriso cativante já havia retornado ao rosto dele.
— Estou sendo uma companhia desagradável demais, srta. Lovato?
— Oh! Desculpe, eu estava distraída...
— Queria perguntar-lhe se aceitaria jantar comigo.
— Eu... bem...
— Precisamos rever as traduções, porém estou morto de fome e não conseguiria me
concentrar. Além disso... Não me obrigue a fazer mais uma refeição solitária!
Sem forças para recusar, Demetria deixou que Joseph a dirigisse através das mesas.
Quando percebeu aonde ele a levava, tentou resistir, mas a pressão no seu braço
aumentou até que pararam diante de uma mesa com as duas pessoas que tinham chegado
com ele e o homem de olhos cinzentos.
— Demetria, esta miniatura de mulher é Sheila Stone. Cumprimentando-a, Demetria
teve a estranha sensação de que todos a examinavam com um interesse exagerado.
— Este é o marido de Sheila, Ashley Stone.
Antes de Demetria poder olhar bem para o homem que tanto a perturbara, Joseph continuou:
— E eis meu irmão, Nicholas.
Sem dúvida, a semelhança entre eles era muito forte, mas Nicholas tinha os traços
mais suaves e os olhos castanhos, além de um sorriso bem-humorado e franco.
— Alô, Demetria. Que prazer. . . Há quanto tempo trabalha com Selena?
— Não é da sua conta, Nicholas! — respondeu Joseph, antes que Demetria pudesse
abrir a boca.
Um silêncio desagradável seguiu-se às palavras rudes. Havia uma tensão evidente
em todos, principalmente nos dois irmãos.
"Por quê? Por que todos parecem estar contra mim? Jamais os vi e no entanto sei
que me acusam de alguma coisa!", ela pensou, disposta a enfrentá-los e esclarecer o
motivo de tanta animosidade.Mas Joseph, com um gesto brusco, afastou-se da mesa apenas com um aceno de despedida. Sem soltar-lhe o braço, levou-a até a porta onde parou para pagar as bebidas.
Demetria voltou-se e encontrou o olhar penetrante de Ashley. O que teria feito para
merecer tanto desprezo de pessoas que nem a conheciam?

Continua...
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
PRIMEIROOOO CAPÍTULO DA MINI-FIC então amores,como vocês viram o ca´pítulo é bem grandinho,e todos eles serão assim,essa fic tem 10 capítulos,todos grandes.No último post da sinopse vcs não comentaram :c o que me fez pensar que vocês não estavam curiosos por essa fic,mas enfim aqui está,logo posto.Gostaram?
COMENTEM...BEIJOS...XOXO!!

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

A Bela Espiã - Sinopse e Personagens + Aviso!

Oi amores <3, então como vocês já sabem eu agora posto a fic,e uma mini-fic,então essa mini-fic que eu vou postar tem 10 capítulos,mas são capítulos longos,são bem grandes até (na minha opinião) então acho que vocês vão gostar bastante.Essa mini-fic eu não peguei de nenhum blog,então ela é autoria MINHA,mas não fui quem em escrevi pois ela é a história de um livro que eu adaptei pra Jemi.
Mas de qualquer forma quem adaptou foi eu,então,por isso que ela é de minha autoria, repetindo NÃO peguei de nenhum outro blog assim como as outras mini-fics,tanto é que não colocarei os créditos,pois sou eu quem adaptei,enfim quando eu terminar de postar ela eu falo o livro e a autora,caso alguém quera ler a história original.

Sobre "Shouldn't Come Back" eu estou fazendo um trabalho de física enorme,que é pra entregar na sexta-feira (29/08) por isso estou sem tempo para escrever,mas assim que eu tiver um tempo eu posto,enquanto isso espero que se divirtam com "A Bela Espiã", que eu já deixei pronta.

                                            __________________________

A Bela Espiã-Sinopse

As evidências condenavam Demetria... mas o amor era mais forte que a razão! Joseph tocou a campainha, jurando que dessa vez a obrigaria a confessar o roubo dos segredos da empresa. Agora não havia mais dúvidas: todas as pistas apontavam para Demetria Lovato!
Quando ela abriu a porta e o encarou com raiva,Joseph quase perdeu o fôlego. Os
longos cabelos dourados desmanchavam-se pelos ombros e o roupão entreaberto mal escondia os seios esplêndidos. Aquela mulher o enlouquecia de desejo!

Personagens:

Demetria Lovato

Joseph Jonas

Selena Gomez

Nicholas Jonas

Ashley Stone

Sheila Stone

---------------------------------------------------------------------------------------------
Então amores só pra esclarecer algumas coisas, Demi e Selena são irmãs de criação, Joe e Nicholas são irmãos também, Kristen fará o papel de Sheila, e..é isso,não posso contar mais haha,Só tenho uma coisa a dizer,essa história é ÓTIMA! Estão ansiosas? Espero que sim..COMENTEM o que acharam da sinopse e personagens...
COMENTEM..KISS KISS!

sábado, 23 de agosto de 2014

Shouldn't Come Back-Capítulo 18

Lembranças?

Demetria andava pelo quarto em busca da tal sapatilha preta,ela já havia parado de chorar e também tomado outro banho pra não ficar com cara de choro,o que não resolveu muito,mas depois de passar corretivo e base na área dos olhos o vermelhidão finalmente sumiu.
Pegou seu celular e viu 19 chamadas não atendidas,entre elas 11 de Selena e 8 de Miley,elas a matariam assim que a encontrassem.
Sentou na cama se encostando no travesseiro e retornando uma ligação para Selena,no segundo toque a mesma atendeu.

-Alô?

-Oi,Sel? é a Demi.

-GRAÇAS A DEUS DEMETRIA! onde você se meteu mulher,eu já tava preocupada.

-Ei relaxa tá tudo bem! (Demi riu baixo) Eu já estou em casa,to me arrumando vou sair com o Zac,mas não acho minha sapatilha preta!

-Hm..qual delas?

-Como qual delas Selena? a da Melissa.

-Ah,bom eu emprestei ela hoje cedo(Selena riu abafado,Demetria rolou os olhos e riu)

-Tá deixa pra lá,como você tá?

-To bem,mas e ai,to aqui na casa dos Jonas..junto com a Miley,o Nick e a coisinha lá em cima.

-Que coisinha?

-A Blanda-Selena sussurrou- O Joe deu um gelo nela hoje, e além disso ele tava todo irritadinho,deu fora nele Demetria?

-O Joe é passado Sel, e agora eu to com o Zac, não que a gente esteja juntos, mas sei lá ele é legal.

-hm sei.. Tá bem,vou avisar a Miley que você ligou,a gente vai sair pra comer pizza hoje,quer vir junto?

-hm,claro eu vou sim, me liga quando tiverem indo.

-Okay,vou desligar tenho que terminar de ver o filme,e você tem que sair com o gostosão do Zac,então tchau!

-Tchau Selena (Demi riu).

Demi levantou da cama jogando o celular na mesma e indo em direção ao closet,já que sua melhor amiga tinha "emprestado" (sem pedir) a sua sapatilha favorita,ela iria com outra.

[...]

Demi encarou o espelho a sua frente e sorriu,era raro as vezes em que ela conseguia se arrumar "decentemente" em pouco tempo. Vestia um shorts jeans branco,um croppet azul marinho,e uma sapatilha da mesma cor.Seu cabelo estava solto,os cachos com tons de dourado caiam perfeitamente sobre os seus ombros nus.

Demetria saiu de seu quarto fechando a porta,desceu as escadas rapidamente e se atirou no sofá,olhou no relógio da parede 14:45. Fazia pouco mais de uma hora desde que Zac havia saido,então logo ele estaria de volta. Selena havia dito que o Joe "tinha dado um gelo" na Blanda,e mesmo ela não querendo,ficou totalmente curiosa a respeito disso.

[...]

*Joe Oon*

Virei o liquido gélido na minha boca,que escorreu queimando minha garganta,não era nem três horas da tarde e eu já estava bebendo.
Depois que sai de casa dirigi até a praia,onde estacionei o carro perto da calçada e fui direito ao quiosque.
quatro anos. Durante quatro anos eu tentei me recuperar da perda de Demetria, e por mais gay que isso pareça, eu simplesmente amo aquela mulher,amo demais,e quando eu finalmente me sentia melhor comigo mesmo,quando eu comecei a namorar a Blanda,e parei de pensar (o dia todo) nela,ela volta,e tudo simplesmente vai por água abaixo. Encarei a praia a minha frente,o sol estava extremamente quente,e o céu completamente azul,as ondas do mar estavam calmas,sem dúvida o dia estava perfeito.

*Flashback Oon*

-Agosto 2009

-Af Nicholas, você tinha que furar a bola!- Falei com raiva olhando meu irmão que ria-

-Foi sem querer poha! outch Joseph! A Selena está jogando com umas meninas,elas tem bola,vamos jogar com elas-Nick disse,bufei e assenti-

Corremos com Nick pela praia,até uma rodinha de meninas que jogavam volei,eu tinha 15 anos e obviamente como todo garoto da minha idade,eu já me interessava por elas. se é que vocês me entendem.

Chegamos até a rodinha de meninas, e eu as encarei uma por uma,Selena estava com seu biquini pink,e um vestido branco meio transparente por cima,ao lado dela haviam mais quatro garotas,duas que era gemeas identicas,porém deveriam ter uns 12 anos,havia outra garota loirinha, que aparentava ter a mesma idade da Selena. 
E então meus olhos ganharam foco na outra garota,ela estava com um shorts preto desfiado e com a parte de cima do biquini, que era em um tom de azul claro,ela ria de alguma coisa e a sua risada era simplesmente perfeita, o que me fez sorrir,seu cabelo era em um tom castanho e bem liso,mas estava preso em um rabo de cavalo alto,ela não estava usando maquiagem e suas bochechas estavam rosadas,provavelmente devido ao sol,no seu queixo tinha uma covinha,o que a deixava ainda mais linda.Eu estava parado feito um idiota quase babando na garota,quando a bola me atingiu na cabeça,eu cai pra trás na areia,e pude ouvir a risada alta de Selena e Nick,abri meus olhos e encarei a tal garota perfeita,na minha frente,seu rosto mantinha uma expressão preocupada,eu sorri, e pude vê-la sorrir também.

-Hey,me desculpa eu sou muito desastrada-ela estendeu a mão para mim me ajudando a levantar,assim que o fiz ficamos cara a cara-Você tá bem? se machucou?

-Eu estou bem sim não se preocupa-sorri-

-Sério me desculpa, eu sou muito desastrada-ela sorriu de canto-

De perto pude ver que ela era ainda mais linda,e o seu sorriso, era o mais bonito que eu já havia visto na vida.

-Tá tudo bem,é sério mesmo,fica tranquila-eu ri,ela pareceu ficar mais aliviada-

-Deixa eu me apresentar direito,prazer Demetria,mas pode me chamar de Demi!-Ela sorriu novamente,e uma onda de calor passou pelo meu corpo-

-Prazer,Joseph,mas só Joe!-eu sorri-

-DÁ PRA PEGAR A BOLA LOGO DEMI,A GENTE QUER JOGAR!-ouvimos selena gritar,mas ela ria-

-To indo Selly!!-Demi gritou de volta-Então,você quer jogar também?-ela perguntou me encarando-

-Claro !- sorri

Demi pegou a bola e correu de volta a rodinha,eu e Nicholas fomos logo atrás.

*Flashback Off*

Apertei o copo com tanta força que me surpreendeu ele não ter quebrado,era só o que me faltava essas lembranças voltarem a me atormentar agora, deixei o copo no balcão junto com uma nota de 20 dólares e sai em direção ao meu carro.
*Joe Off*

Continua...
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------
Olá <3 esse capítulo tá meio mini né '-' kk estou fazendo um trabalho enorme,por isso não estou tendo tempo,então fiz esse capítulo pequeno,assim que der faço um maior okay? *-* 
Estão gostando da fic?
COMENTEM...BEIJOS...XOXO!!

An apology - Parte 10 - Final + Selinho!


An Apology
Por: Emma

Demetria se encontrava rodeada de livros e papéis, o laptop ligado em sua frente aberto em várias paginas relacionados ao assunto. No momento ela estava escrevendo escrevendo a terceira folha de seu interminável dever e estava cansada.
Ela se levantou apagando a luz que ficava sobre sua mesa já pensando em se deitar quando o celular toca. Era Elena.
_Hey Deminha.
_Oi e ai?
_Bem eu to te ligando pra saber como você vai se preparar para a formatura. Eu sei o que você vai dezer, que esta cedo demais para pensar nisso, mas é sempre bom fazer algumas coisas antecipadamente. Comprar os vestidos e os sap..._Demetria interrompeu Elena com um pigarro, ela falava sem parar e a estava irritando.
_Elena desculpa, sério mesmo amiga, mas eu estou muito cansada, estou o dia inteiro escrevendo e montando esse trabalho, estou morta de sono e cansaço. A gente pode falar disso outra hora? Vem aqui em casa ou eu vou ai e então discutimos sobre isso, pode ser?
_Tá bom sua chatinha. Amanhã a gente vê isso. Beijos.
_Beijos._Respondeu e desligou o telefone.
Demetria se deitou do jeito que estava e adormeceu instantaneamente.


...

Um mês e meio havia se passado, agora faltava apenas duas semanas para a formatura, Demetria não estava tão animada quanto antes, já o resto da turma estava empolgadíssima.
_Demi, faz uma cara melhor._Disse Selena._Você esta fazendo todo mundo ficar com cara de bosta junto contigo.
_Cara de bosta?_Perguntou Demetria meia séria e logo em seguida rindo da piadinha da amiga.
_Te fiz sorrir. Glória._Selena levantou as mãos pro céu em um gesto de agradecimento.
_Besta._Demetria mostrou a língua enquanto o resto do pessoal ria com as criancices das duas amigas.
_A gente deveria fazer alguma coisa legal. Isso aqui está muito parado._Falou Katherine._Sabe o que eu acho, ainda não comprei meu vestido, que tal fazermos as compras agora?
_Boa ideia._Concordou Selena.
_Os meninos também, aposto que vocês nem compraram suas roupas sociais. Scott você disse que vai comigo, não quero um mendigo me acompanhando._Elena falou séria.
_Que isso gata, já tenho a minha roupa relaxa._Respondeu Scott.

...

O dia da formatura havia chegado, todos estavam nervos e apostos em seus lugares. No palco a professora de inglês discursava um monte de baboseiras tipicas. Demetria mal a escutava, estava perdida em seus pensamento só querendo que tudo aquilo acabasse logo.
_Demetria Lovato._Uma voz a despertou e ela percebeu que foi chamada para pegar seu diploma e fazer seu discurso.
Ela subiu ao palco muito nervosa, todos os olhares se concentravam nela. O discurso já estava bem decorado, ela pigarreou e começou:
_Bom, eu quero agradecer a todos os meus professores que me deram a oportunidade de estar aqui fazendo esse discurso. Sei que esta horrível e eu estou muito nervosa mas eu vou tentar dizer algo que preste._Continuou. O pessoal da platéia riu com a ultima frase._Quero agradecer também aos meus amigos e principalmente a minha família que esteve sempre comigo e..._Ela parou de falar pois teve uma visão inesperada. Seu pai entrava pela porta aos fundos, estava bem visível a Demetria, ela se lembrou do que estava fazendo e retomou. Pigarreou outra vez._Eu só queria agradecer mesmo por essa oportunidade de entrar em uma faculdade e fazer o que eu quero no futuro. Sem mais delongas. Obrigado a todos._Terminou e desceu rapidamente do palco sob muitos aplausos.
Sua mãe e seu irmão vieram ao seu encontro e a abraçaram.
_Parabéns filha, parabéns meu amor._Disse a mãe a abraçando.
_Parabéns manina._Daniel também a abraçou._Eh, mana o pai ta aqui.
_É, eu vi._Respondeu ela em um tom frio.
_Vai falar com ele?_Perguntou a mãe.
_Vou sim._Demetria respondeu a pergunta da mãe e saiu andando em direção ao pai que estava encostado em um dos pilares perto da saída.
Ela se aproximou. Seu pai quando a viu fixou o olhar na filha e esperou.
_Você veio aqui para me humilhar de novo?
_Não. Vim te pedir perdão. Fui um idiota, você tem razão sobre tudo que disse. Me des...
_Eu não quero saber. Gurde as desculpas pra você.
_Filha...
_Pai olha, você me humilhou e muito. Eu sou uma prostituta lembra? Você que disse. Não venha me pedir nada, pai que é pai não faz isso com uma filha.
_Demetria! Eu vim aqui por você.
_Sinto muito, você perdeu seu tempo._Dito isso ela saiu o deixando desamparado.
Demetria foi andando em direção aos amigos que estavam tendo uma feliz discussão sobre a faculdade. Chegando lá puxou Selena pelo braço e a levou até um canto.
_Ele ta aqui._Disse Demetria.
_Eu vi.
_Ele veio se desculpar.
_E você perdoou né?
_Não.
_Demi ele é seu pai.
_Eu não tenho mais pai.
_Demi, não fala assim, ele po...
_Eu não quero discutir isso, só te contei porque você é a minha melhor amiga. Mas esse assunto morreu, ok?
_Tudo bem então se você prefere assim.
O baile já havia começado e Demetria estava dançando no meio da pista feito uma louca, já havia bebido e estava bem animadinha. Já tinha ficado com uns dois carinhas conhecidos e continuava a dançar.
Selena vendo o estado da amiga a levou de volta para casa, deu-lhe um banho e a colocou para dormir.

Demetria acordou no dia seguinte com uma baita dor de cabeça, tomou uma aspirina e se deitou torcendo para a dor passar. Hoje era o dia de visita a sua faculdade, iria entrar para a Universidade de Oxford e estava bem feliz por isso.
_Aqui é demais!_Exclamou Katherine maravilhada com o lugar.
_É realmente incrível._Disse Selena concordando.
Demetria, Selena e Katherine iram entrar para a Universidade de Oxford, enquanto Scott e Elena iriam para Londres.
Demetria não tinha certeza se tinha feito a escolha certa com relação ao seu pai, mas sabia que seria melhor assim. Estava se sentindo muito melhor e mais feliz. Agora com as amigas mais próximas a ela, teria paz e viveria seu presente sem pensar demais no futuro.

FIM!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Selinho \o/ ganhei da Mari linda <3


Regra (s): Não poderá dar o selinho quem lhe deu (Imagina a pessoa ficar com 02 selos iguais?)
                Não mude as perguntas!
                Não tente tirar os créditos!

03 Perguntas: 01. Já pensou em desistir do blog e abandonar  tudo?
                        02. O que pensa que é indispensável numa Fanfic?
                        03. O que prefere escrever? Sinopse ou a lista de Personagens? 

Respostas: 01: Já pensei sim,as vezes fica muito difícil postar ou escrever os capítulos,mas eu amo isso aqui então creio que não abandonar o blog tão rápido.

02: Eu acho que em uma fic,seja ela sendo mini-fic,ou long-fic, é indispensável a apresentação "decente" dos personagens,assim fazendo com que o leitor entenda melhor a história.

03:Prefiro escrever a sinopse (:

Indico para:

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Então amorecos a mini-fic acabou :c mas logo terá outra u.u Logo posto Beijos....XOXO!!